01 abril 2008

Haverá sempre um a favor e outro contra

José Nazal Pacheco Soub

Uma coisa o projeto do Porto Sul trouxe de bom: a discussão, a troca de idéias e opiniões, a diversidade de pensamentos, força que anima e fortalece a democracia e o estado de direito.

Muita gente é contra ou a favor, apenas por ser, sem ter, nem querer ter, conhecimento do projeto, que na verdade ainda está em fase de estudo; penso que só veio à tona o que podia ser apresentado, senão vejamos:

- Um projeto dessa magnitude exige tempo para estudos e cálculos, por isso penso que há muito vem sendo negociado.

- No dia 04 de janeiro passado, o Governador Wagner nomeou uma Comissão Responsável pelo Estudo de Viabilidade, que deverá manifestar-se sobre o projeto até o dia 15 de maio vindouro.

- Nos dias 13 e 15 de fevereiro, esteve em Ilhéus e em Itacaré, sem ao menos tocar no assunto. No dia 20 de fevereiro, o Diário Oficial do Estado publicou o decreto que declarava como área de utilidade pública 1776 hectares, contígua a área de 756 hectares previstos para o aeroporto.

- Os fatos foram precipitados com o vazamento da notícia e, a partir daí, as informações desencontradas e incertas foi o combustível para os boatos, aviventando as opiniões e os artigos contra ou a favor, juntamente com os seus comentários.

Há quem afirme que a desapropriação do Parque Conduru, condicionante exigida como contrapartida do Estado da Bahia para financiamento do BIRD, ainda não está concluída. Há informes de que não passam de dez por cento as áreas indenizadas.

O Governo terá que tratar o assunto com a muita seriedade, colocando as claras suas intenções. Quem não quer aeroporto, porto, ferrovia, indústrias? Todos querem. Ninguém quer engodo. O release oficial dando conta de que serão criados 10 mil empregos no sul da Bahia é um.

Penso não fazer diferença se declarar contra ou a favor. Há uma decisão política forte. O governo quer e fará tudo para concretizar o projeto.

No futuro as coisas ficarão mais claras. Hoje, os velhos exemplares do Diário da Tarde guardam as opiniões de 80 anos atrás. Como será que os sites e blogs preservarão as opiniões de hoje? Amanhã alguém terá que passar a história a limpo.

Leia a íntegra do artigo de Nazal em www.catucadas.blogspot.com. Lá, você encontrará dados históricos sobre o porto do Malhado e informações sobre meio ambiente e a área de influência do novo projeto. Imperdível.

5 comentários:

Anônimo disse...

o grave é que este mesmo José Nazal participa de um grupo que não entende esse direito. Tente falar mal do governo de Newton. Tente. Certamente os puxa-saco de plantão irão se pronunciar, reagir, agredir, dizer que estão falando mal por que não tiveram empregos no governo.
E viva a democracia cubana em Ilhéus.
Paredão para quem não entrou no acordão.

Anônimo disse...

oi nazal, soube que vc é contra porque tem terras por ali, é verdade amigo? vc e membros do floresta viva têm terras naquela área? desculpe a pergunta é que tô curioso, vc pode confirmar a notícia? em seu blog vejo o interesse tamanho pela questão, pode comentar alguma coisa amigo. agradeço.

Anônimo disse...

Vocês não publicaram a pergunta: Nazal tem ou não tem terras na área da construção do porto? É uma pergunta simples. Não é ofensiva, nem desrespeitosa.Critérios do blog. Afinal tem ou não tem?

José Nazal disse...

O único pedaço de terra que tenho fica no Cemitério da Vitória. É prórpio e definitivo.
Respondo a essa pergunta em atençao a 'seo' Pimenta e 'seo Toskco, que abriram espaço para expor o que penso, porque na verdade devo satisfação realmente aos meus.
Se o caro amigo anônimo está incomodado, defenda suas idéias.
Quanto ao governo que participo, quando tenho que fazer críticas, faço diretamente aos companheiros, da mesma forma que sei ouvir quando sou criticado.

Anônimo disse...

É isso aí nazal,fico satisfeito com sua resposta.O debate realmente tem de ser feito, não custa nada. obrigado, um abração.