30 novembro 2007

Nepotismo na Uesc

A lei do nepotismo em cargos públicos parece não valer na Uesc.

A começar pelo reitor, todo mundo tem esposas, maridos, filhos, gatos cachorros e papagaios ocupando cargos de confiança na estrutura da instituição.

Uma indecência!

Sem graça...!!!

Não há outra definição para o novo site do jornal Agora!

Sem graça, sem sal, sem funcionalidade, complicado, chato...

Ops, várias definições para dizer uma só coisa: tá sem graça.

O que houve, Adervan? Quer afugentar os novos leitores?

Autoridade, dá um jeito nisso!

Mil e uma utilidades

Em Ilhéus tem dessas coisas.

O funcionário da livraria Gabriela, do vereador Gilmar Sodré, também dá expediente na Câmara de Vereadores.

Quem paga, quem paga???

Ultimato e ameaça

Marco Wense

Um líder peemedebista, que não quis se identificar, declarou na coluna Raio Laser da Tribuna da Bahia, edição da última quinta-feira, que os partidos que têm cargos no governo João Henrique e que insistem em ter candidatura própria ao Palácio Thomé de Souza, devem deixar a administração.

E mais: “Eles terão de sair na tora mesmo”. Será que o PMDB do ministro Geddel Vieira Lima teria a coragem de ultimar o PSB como fez com o PT e o PC do B?

Muita gente acha que não, já que a pré-candidatura de Lídice da Mata faz parte do plano B de Geddel em troca do apoio do PSB à sua candidatura ao Senado Federal na eleição de 2010.

O plano B, ou seja, o apoio de Geddel a Lídice – logo no primeiro turno –, só seria possível se a popularidade do prefeito João Henrique despencar nas pesquisas de intenção de voto.

É evidente que tudo não passa de especulações inerentes ao perverso, traiçoeiro e movediço jogo sucessório. Mas na política, especular, dentro de certa lógica, é perfeitamente aceitável.

Dentro de certa lógica, o que pressupõe responsabilidade jornalística. Ninguém, pelo menos em sã consciência, vai insinuar que o prefeito Fernando Gomes pretende apoiar Geraldo Simões na eleição municipal de outubro de 2008.

Últimos dias de enquete para prefeito

O ex-prefeito Geraldo Simões lidera enquete sobre os prováveis prefeituráveis de Itabuna, em 2008. 370 votos já foram computados.

O ex-prefeito tem 42%, seguido de Capitão Fábio, com 15%, Adervan Oliveira, 10%, e Luís Sena, 8%.

A votação vai até amanhã.

Se você ainda não voto participou, está na hora. É só dar um clique na enquete, no canto superior direito da tela do PC.

Resultado parcial
Acácia Pinho 18 votos (4%)

Adilson José 4 votos (1%)

Barbosa 13 votos (3%)

Capitão Azevedo 20 votos (5%)

Capitão Fábio 58 votos (15%)

Dinailton Oliveira 7 votos (1%)

Edson Dantas 19 votos (5%)

Geraldo Simões 159 votos (42%)

José Adervan 39 votos (10%)

Luís Sena 33 votos (8%)

Valderiquistas estão que não se agüentam...

O clima entre os seguidores do prefeito cassado de Ilhéus, Valderico Reis, é de pura expectativa. Alguns deles sorriam agora de manhã na praça J.J Seabra, dizendo que a volta do defenestrado será festejada com uma fila de trios elétricos.

Um panfleto hilário também está sendo distribuído nas ruas de Ilhéus. Nele, algum assessor afirma que Valdé retornará para fazer, em um ano, o que não conseguiu realizar em três (!!!!!!)

Com certeza, isso não é promessa. É verdadeiramente uma ameaça de meter medo em toda a cidade.

Valderico tenta mais uma cartada

O prefeito cassado de Ilhéus, Valderico Reis, aposta em um mandado de segurança que move contra o afastamento que lhe foi imputado pela Câmara de Vereadores. A liminar requerida pelos seus advogados foi negada, mas ainda será julgado o mérito.

A decisão está nas mãos do desembargador Manoel Bahia, e partidários do prefeito cassado têm cometido a infâmia de espalhar que o membro do TJB estaria sendo cortejado com alguns milhares de motivos reais.

Já os ilheenses, que em sua maioria rejeitaram os desmandos do governo VR, esperam uma decisão correta.

É esperar pra ver...

Crime de Jabes Ribeiro repercute no A Tarde

A ação do Ministério Público Estadual contra o ex-prefeito Jabes Ribeiro, de Ilhéus, está sentre os destaques da editoria de política do Jornal A Tarde, hoje.

A promotora Karina Cherubini ajuizou ação contra o ex-prefeito por desrespeitar a lei e repassar duodécimo a maior para a Câmara de Vereadores, em 2002, e a menor, em 2004.

O MPE pede a indisponibilidade dos bens e a suspensão dos direitos políticos do ex-prefeito, que é também secretário-geral do PP na Bahia.

Clique aqui e leia matéria completa do Pimenta sobre o assunto.

Cosme Araújo volta a defender Valderico

Depois de afirmar que estaria se "isolando" do ex-prefeito Valderico Reis, Cosme Araújo voltou a integrar a "banca" dos advogados de defesa de "Val Val".

O ex-prefeito ilheense tenta, a todo custo, retornar ao governo. Depois de perder todas em Ilhéus e no Tribunal de Justiça, entrou com agravos de instrumento e regimental.

Os agravos de Valderico eram contra decisão da justiça ilheense, que indeferiu liminar em mandado de segurança contra a sua cassação.

Ontem saiu mais uma decisão. E, parece, Valderico sofreu nova derrota.

O Pimenta está mantendo contato com o Tribunal de Justiça para confirmar decisão.

29 novembro 2007

FÁBIO LAGO EM QUATRO ATOS

O ator ilheense, que representou o traficante baiano no filme "Tropa de Elite", na entrevista concedida ao Blog do Gusmão. Ele fala do início da carreira, relembra o ator e diretor Pedro Mattos e o irmão Jorge Lago (falecido recentemente) e não foge das perguntas sobre a política local.
1º "ATO":


2º "ATO":


3º "ATO":


4º "ATO":

Espírito Santo e os desonestos

O pré-candidato a prefeito de Ilhéus pelo DEMo, o médico Antônio Espírito Santo, chamou de desonestos os ex-prefeitos João Lírio, Jabes Ribeiro, Antônio Olímpio e Valderico Reis.

A afirmação foi feita durante entrevista do pré-candidato ao programa O Tabuleiro, do radialista Vila Nova. "Foram 29 anos e Ilhéus teve quatro prefeitos e nós erramos tanto nas pessoas como no modelo administrativo, todos eles não tinham os quatro pilares que iremos seguir, honestidade, compromisso, comprometimento e trabalho".

Segundo ele, o DEMo está trazendo "um novo grupo e um novo modelo administrativo com orçamento participativo".

Professores sem 13º

Apesar dos repasses do Fundeb em dia, municípios sul-baianos afirmam que não têm dinheiro para pagar o 13º dos trabalhadores em educação.

Segundo edição on-line do jornal A Região, Ibirapitanga, Floresta Azul, Gandu, Pau Brasil e Itaju do Colônia estão nessa condição. E os professores devem passar o natal no vermelho.

Joaquim é declarado reeleito

A comissão eleitoral da Uesc finalizou os trabalhos de apuração oficial e declarou reeleito o reitor Joaquim Bastos (3.012 votos). O professor Valter Silva ficou em segundo lugar (1.590 votos) e Lourice Salume Lessa (650), em terceiro.

Joaquim terá como vice-reitora Adélia Melo Pinheiro, professora adjunta do Departamento de Ciências da Saúde. (com informações do Diário do Sul)

Resultado final (por segmentos)

28 novembro 2007

Joaquim comemora: vive la France!!!

Joaquim ganha mais quatro anos de viagens
internacionais. E vive la France!
Enquanto não sai o resultado oficial e o 'apagão' compromete a contagem dos votos, a turma de Joaquim Bastos não pára de comemorar.

Os 'amarelinhos' de Valter Silva e os 'verdinhos' de Lourice Salume Lessa praticamente abandonaram a Uesc.
Joaquim está reeleito. E conseguiu vencer entre professores e funcionários. E, retificando, perdeu entre os estudantes.

"Apagão" na Uesc

Neste momento, acontece de tudo na Uesc.

A contagem dos votos para reitor acabou de ser suspensa devido a uma queda de energia.

Mesmo com o "apagão", Joaquim Bastos começa a comemorar a reeleição, sustentado na larga margem de votos conquistada entre os professores e funcionários.

Faltam apenas os votos dos estudantes.

Após a eleição, a lista tríplice dos candidatos seguirá para a escolha do governador Jaques Wagner.

Tradicionalmente, o escolhido para a reitoria é aquele que ganha a eleição na comunidade acadêmica.

Joaquim praticamente sacramentou vitória

Os primeiros resultados da eleição para reitor da Uesc mostram o atual reitor Joaquim Bastos na liderança.

Depois de alcançar 57% dos votos entre funcionários, Joaquim obteve 359 votos entre os professores. Valter Silva ficou com 81. Lourice Salume Lessa obteve 77.

Eleição na Uesc: resultado sai em instantes

Saíram os primeiros resultados do vestibular da Uesc.

Entre os funcionários, Joaquim Bastos teve 112 votos, Valter Silva obteve 64 e Lourice Salume Lessa ficou com apenas 15 votos.

Faltam, ainda, os votos dos professores e estudantes. Com esses números, Joaquim fica mais tranqüilo quanto ao resultado final. A votação entre os funcionários é a de maior peso na disputa após a instituição da paridade.

E 'Quincas Pão', o viajante, caminha para a reeleição.

Tempo fechado na Câmara de Itabuna

O plenário da Câmara de Itabuna está lotado de rodoviários de chapas que enfrentaram o atual presidente do sindicato da categoria, o verador Adeládio Pezão, na eleição do último final de semana.

Os rodoviários prometem "desmascarar" o vereador, mas, pelo clima, parece mais que estão dispostos a guerrear no plenário do legislativo.

A segurança da casa está sendo reforçada para evitar o pior.

Resultado de eleição na Uesc sai até as 23h

Professores, funcionários e estudantes da Uesc escolhem hoje o reitor da instituição.

Estão na disputa pela reitoria os professores Joaquim Bastos, Lourice Salume Lessa e Valter Silva.

O resultado oficial da eleição deve sair até as 23h, mas o vencedor poderá ser conhecido bem antes, pois as chapas montaram estruturas paralelas de apuração dos votos. Foram instaladas 15 sessões eleitorais.

O que assusta os candidatos é o silêncio de boa parte dos funcionários.

Comissão cobra estado por Caso Leal

Representantes da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Presidência da República estiveram ontem na Secretaria da Justiça e Cidadania e Direitos Humanos da Bahia.

Eles foram cobrar ações mais efetivas do Estado com relação ao assassinato do jornalista Manoel Leal. O fundador do jornal A Região foi morto com seis tiros em janeiro de 1998, quando chegava em casa, em Itabuna.

Ele foi assassinado depois de publicar, com provas, uma série de denúncias contra o prefeito Fernando Gomes, o delegado especial Gilson Prata e a secretária municipal Maria Alice, hoje presidente do DEM em Itabuna.

Leia mais no site do jornal A Região

Prisão de prefeito

Chamado a depor no fórum da justiça local, o prefeito de Ibirapitanga, Eraldo Assunção, tenta obter um habeas corpus preventivo.

Isso porque existe a possibilidade dele sair de lá diretamente para a cadeia.

Eraldo é acusado de atrasar o salário dos professores por até três meses, mesmo com os repasses federais do Fundeb caindo religiosamente em dia.

Como seguro morreu de velho, o prefeito quer ir preparado para qualquer surpresa.

Não seria melhor pagar os salários?

Em tempo: ele foi intimado a comparecer ao fórum para prestar esclarecimentos ao Ministério Público Estadual. A convocação é da promotora pública Thais Pólo.

Rainha do crack

Parece até reprise, mas não é.

Traficante de drogas, 46 anos, funcionária do Hospital Regional de Ilhéus, Norma Leonor Maia foi presa pela segunda vez em menos de 15 dias. E, novamente, tentava embarcar para Salvador com 844 gramas de crack.

Ela estava presa, foi liberada não se sabe como e, agora, novamente detida. Desta vez, a polícia colocou a mão em cinco quilos e meio de crack, cocaína e maconha, encontrados numa casa alugada por Norma Leonor no bairro Novo São Caetano.

A prisão foi efetuada pela polícia, ontem.

Menos, menos...

Comunista de boa cepa disparou ligações para redações de jornais em Itabuna, ontem.

Com todo o gás, ele tentava socorrer o seu candidato a reitor na Uesc, o magnífico Joaquim Bastos.

Joaquim, como se diz, foi chorar no "pé do cabôco", lá em Salvador.

Chorou, chorou, mas não teve jeito.

Fora do páreo, Jabes é campeão de processos

O ex-prefeito Jabes Ribeiro já conhecia a ação civil pública em que o Ministério Público Estadual (MPE) pedia a indisponibilidade dos seus bens e a suspensão dos direitos políticos.

Foi exatamente por isso que deu entrevistas, esta semana, negando que vá para o governo estadual. Ou vá concorrer à prefeitura de Ilhéus em 2008.

O MPE ingressou com a ação civil pública por Jabes ter repassado duodécimo a maior (2002) e a menor (2004) para a Câmara de Vereadores.

Além disso, Jabes é réu em outras 22 ações por improbidade, relativas apenas ao seu último mandato como prefeito em Ilhéus, entre 2001-2004.

Clique (aqui ) e leia a nota exclusiva do Pimenta e tudo sobre a nova ação movida pelo MP contra o ex-prefeito.

Confira no Pimenta

.

Troca de favores e politicagem na Uesc

O.P.*


Vou desabafar como estudante desacreditado. Estou extremamente decepcionado com a postura de professores nesta eleição para reitoria. Muitos deles, aos quais sempre admirei, uns que se mostraram jovens e arrojados, outros super-organizados e talentosos, todos que respeitava muito, tomaram uma decisão quase geral de apoiar o professor Joaquim para a reitoria. E quando eu pergunto por que, ninguém sabe direito explicar. Falam mais de outros candidatos do que de Joaquim em si.

Os nossos cursos estão simplesmente abandonados, as condições de sala de aula são péssimas, as condições de permanência do estudante na UESC horríveis. Mas, mesmo assim, tenho que entrar em sala de aula e ver pessoas que admiro(ava) vestindo a camisa dessa gestão que, a meu ver, foi descompromissada.

O pior é que as justificativas quase sempre envolvem "moedas de troca" que, por mais que não sejam ditas, transparecem. Professores ganharam cargos de confiança não pela competência, mas pela sua utilização eleitoral, para fazer dos DEPARTAMENTOS um "curral de votos", desculpe a expressão, e é exatamente o que está acontecendo.

Joaquim fez a troca dos cargos de confiança não por competência, pois senão já os teria colocado no início da sua gestão e não no final, como foi feito. E ele conseguiu. Foi assim com a professora Adélia e assim com outros tantos. Não sei qual será a repercussão desse e-mail, acho que nada mais posso fazer, mas esse processo eleitoral me fez ver que as pessoas não são o que parecem ser.

A partir de hoje, infelizmente, não mais levarei em conta o que os professores aconselharem sobre assuntos não acadêmicos, e juro que tentarei convencer todo estudante a isso. Infelizmente, estou com a impressão de viver no meio de pessoas que apenas pensam nos próprios interesses, que são covardes na hora de combater o que acham errado e, o pior de tudo, "compráveis". Não estou dizendo que são isso, mas é a impressão que estou tendo não tem jeito.

Não é possível que nós estudantes que sofremos nestes 4 anos(vocês sabem que sofremos), pois a gestão nunca olhou pra nós, tenhamos que ficar ouvindo professores pedindo votos para esta mesma gestão, e o pior movidos por interesses que até hoje não consigo compreender.

Prefiro acreditar que realmente os DEPARTAMENTOS votem em Joaquim porque têm a consciência de que ele é melhor, mesmo que eu considere essa uma análise rasa e absurda. Mas, enfim, é uma opinião minha. Estou realmente decepcionado com o processo, ver um local como a universidade que deveria ser o local de maior criticidade se tornar um campo de troca de favores e politicagem.

Saudações,


Primeira medida de impacto do governo: IMPLODIR A FONTE NOVA

A decisão já havia sido anunciada desde que a Fifa confirmou o Brasil como sede da Copa de 2014, mas ganhou força no último domingo. O governo baiano vai implodir a Fonte Nova e construir outro estádio no mesmo local.

Antes da tragédia do jogo Bahia x Vila Nova, quando sete torcedores morreram com o desabamento de parte do degrau da arquibancada, Wagner foi criticado pelo projeto, que alguns consideravam mirabolante.

Parte da imprensa defendia a reforma da Fonte Nova. Agora, após a perda de vidas humanas e a condenação do estádio pelo Crea, a proposta do governador ganhou força.

A nova praça esportiva custará entre R$ 350 milhões.

Baixo nível não encontra eco na comunidade acadêmica

Maurício Ferreira

Acusações infundadas; manipulação de dados; intromissão na vida pessoal; palavras de ordem xulas e de baixo calão, são algumas atitudes que os concorrentes do atual reitor, de forma desesperada, apelam e baixam o nível das eleições .
.
Porém, as notas plantadas em jornais e os boatos espalhados na Uesc não têm encontrado eco na comunidade acadêmica.
.
Tais atitudes demonstram o despreparo e a falta de conhecimento e propostas concretas para gerir a universidade. Ao invés de apresentarem propostas para a gestão do ensino de graduação e pós-graduação, da pesquisa e da extensão, insistem em inventar, mentir e rebaixar o nível do debate.
.
A Uesc enfrenta problemas, da mesma forma que a maioria das universidades públicas e todas as universidades do Estado da Bahia, contudo a Uesc encontra-se em situação menos grave que as outras. Algumas, no ano passado, chegaram a ter os serviços de telefonia e outros suspensos por falta de pagamento.
.
Um dos maiores problemas da Uesc hoje é que a universidade cresceu de tal forma, em relação ao número de cursos de graduação e pós-graduação, que o número de salas é insuficiente, porém a construção de novo pavilhão não é possível com o orçamento atual.
.
A construção e ampliação de vários laboratórios permite aos pesquisadores, estudantes da graduação e pós-graduação melhores condições para viabilizar suas pesquisas.
.
A extensão tem feito articulações, principalmente com as camadas excluídas da população, apoiando os agricultores familiares, a comunidade indígena Tupinambá e os assentementos rurais, viabilizando apoio técnico e projetos nas áreas de educação, saúde e desenvolvimento social.
.
Perfil de Lourisse

Porque só agora se apresenta como alternativa? Permaneceu até o dia do registro das candidaturas sem romper com Joaquim ou fazer qualquer crítica pública à gestão.
.
Afirma que o curso de direito irá ganhar com a sua ida para a reitoria, porém esquece que "manda" no curso de Direito há cerca de 20 anos, sempre dirigindo ou apontando os Diretores de Departamento de Ciências Jurídicas e Colegiado do Curso.
.

Se o Curso de Direito está em crise, a responsabilidade seria da Reitoria?
.

Isso é impossível, pois no modelo binário, vigente desde 1994, a gestão é compartilhada e a reitoria não pode intervir diretamente nos cursos, sem a solicitação do Departamento (matéria administrativa) e do Colegiado (matéria acadêmica).
.

Oposição de utilíssima hora é oportunismo.
.

A candidatura de Lourisse é apoiada pela direitona. Inclusive o Diário dos Gomes entrou de cabeça na campanha.
.

Valter Silva:

Quem é Valter Silva e o que quer com a candidatura?
.

Professor de Matemática, com pouca experiência administrativa e nenhuma experiência em pesquisa ou extensão. Nunca participou de um Projeto de Pesquisa ou de Extensão.
.

Ataca a atual gestão, afirmando que a Uesc não tem relação com a região, nem compromisso com o desenvalvimento regional.
.

Deveria dominar a o ponto que entende como ponto fraco da atual gestão. Perguntado no debate sobre quais seriam as linhas de pesquisa e extensão (único modo de intervir na realidade local), respondeu que: "Vou construir um pavilhão pras exatas e mais dois pavilhões: um pavilhão de pesquisa e outro de extensão. Além disso vou construir um ponto de apoio para os pesquisadores pra quando forem pra Salvador buscar verbas".
.

Só faltou dizer que iria entregar umas cuias para os pesquisadores.
.

Não apontou nenhuma linha de pesquisa. Poderia ter até improvisado ou pelo senso comum ter se referido à preservação da mata atlântica; ao desenvolvimento da produção agropecuária; do Planejamento e Gestão de Cidades; Saúde; Turismo; Biocombustíveis; informática e tantas outras linhas que se identificariam com a realidade social e as potencialidades econômicas regionais.
.

Valter, no fundo, sabe que não tem condições de ser reitor, ele está utilizando a campanha de reitor para popularizar seu nome como candidato a vereador em Itabuna. Valter foi candidato a vereador em 1996, em 2000 e em 2004, sem lograr êxito, agora aparelha uma eleição séria, apenas para se projetar.
.

Joaquim e Adélia reúnem as melhores condições para gerir a instituição. Competência administrativa e acadêmica.
.

As outras candidaturas são temerárias à estabilidade da instituição. Podem afundar uma universidade que tem se firmado com muita luta e dificuldades.
.

Por isso que a chapa conseguiu unir figuram emblemáticas, com diferentes matizes ideológicas, mas com um ponto em comum: História de lutas na FESPI/UESC e COMPROMISSO INSTITUCIONAL. Dinalva Mello; Davidson Magalhães; Adeum Sauer; Rui Póvoas; Tica Simões; Margarida Fahel; Rosana Lopes; Milton Ferreira; Olivia Lisboa; Aparecida Aguir (Cida) Cornélia; Vera Menonça; Marileide; Arléo Barbosa; Herlon; Bomfim; Niraldo;Tereza Moreno; .Aliado a isso, reúne apoio dos novos professores que pesquisam e constroem ensino e exrtensão de qualidade: Ronam; Chiapetti; Max; Neilon Calazans; Júlio Cascardo; Roberto Paixão; Mércia Margoto; Roseane; Maridalva Penteado; Arituza; Sandra Abreu; Patricia Argolo; Pilligra, entre outros.

27 novembro 2007

MP pede indisponibilidade dos bens de Jabes...

...e a suspensão dos direitos políticos

Exclusivo

O Ministério Público Estadual (MPE) pediu a indisponibilidade dos bens e a suspensão dos direitos políticos, por até cinco anos, do secretário-geral do PP na Bahia e ex-prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro (foto).

Em 2002, o ex-prefeito fez repasses de duodécimo à Câmara de Vereadores, acima do limite estabelecido por lei. A ação tramita na 2ª Vara Cível e da Fazenda Pública de Ilhéus.

Além do repasse a maior, na investigação aberta pelo Ministério Público foram descobertas divergências superiores a R$ 50 mil, mensais, entre os valores contabilizados pela Prefeitura e os recebidos pela Câmara.

O limite constitucional de repasse para aquele ano era de R$ 3.360.772,97. Porém, atingiu um total de R$ 3.372.392,32. E a prefeitura fez 'mágicas' para esconder rubricas como a de convocação extraordinária dos vereadores.

“A improbidade administrativa foi praticada em duas de suas modalidades: lesão aos cofres públicos e violação dos preceitos regedores da Administração Pública, em especial, do princípio da legalidade”, ressalta a promotora Karina Cherubini, na ação.

A lesão aos cofres públicos se deu no momento em que o ex-prefeito repassou a maior e não buscou meios de ressarcir o erário, apesar de advertências do Tribunal de Contas.

A violação dos preceitos ocorreu quando o município superou o limite máximo de repasse do duodécimo, que era de 7% do orçamento.

Conforme a Constituição Federal, no segundo parágrafo do artigo 29-A, constitui crime de responsabilidade do prefeito efetuar repasse que supere os limites definidos.

Quebra de sigilos
Além da indisponibilidade dos bens e suspensão de direitos políticos, a promotoria pede o ressarcimento integral aos cofres do município dos valores e o pagamento de multa de até 100 vezes.

A promotora Karina Cherubini pede também a quebra dos sigilos bancário e fiscal do ex-prefeito para a produção de provas da ação civil pública. Na ação, o MPE destaca que Jabes voltou a cometer crime de improbidade ao fazer repasse a menor.

"Eleição para reitor da Uesc"

Agenor Gasparetto


"Jornais, neste final de semana, bateram forte em Joaquim e suas supostas viagens de turismo, com direito a acompanhante, mundo a fora. Afora o constrangimento, o alcance desse tipo de denúncia, exclusivamente em tempos eleitorais, é discutível. Aparentemente, tem pouca influência, pelo menos entre os que já decidiram. Isto porque na Uesc, como na rua, não mudam muito as razões para se escolher alguém. Parece confirmar que ela faz parte realmente da sociedade englobante.

O que quero ressaltar, aproveitando esse fato, é o papel e a necessidade de viagens nesse tempo que também poderia ser chamado de tempo das comunicações, destacando-se a Internet e o onipresente celular, afora os meios tradicionais que já na década de 1960 permitiram a Marshall Mac Luhan intuir que somos uma “aldeia global”. Desde então, os avanços superaram quaisquer previsões.

Audiências de presos, em nome da segurança e da conta a ser paga pela sociedade, passam a ser realizados via teleconferência. Da perspectiva da conexão comunicativa, a metáfora da “aldeia global” nunca reuniu tão boas condições quanto agora. No entanto, as viagens não diminuíram. Ao contrário. Obviamente, estou falando de viagens e diárias pagas pelo contribuinte. As pagas por conta própria, continuam fora desta discussão.

Sendo assim, porque se viaja tanto e, parece, cada vez mais? Pedro Demo, próximo da virada de século, em palestra realizada na própria Uesc, em contexto semelhante, usou uma expressão que desde então não cessou de me fustigar a mente: turismo acadêmico. Afinal, o que realmente é necessário e o que, bem contado, não passa de variante de turismo acadêmico nas viagens que acontecem em nome das instituições universitárias? Pensemos um pouco no poder magnífico dos recursos da comunicação que hoje dispomos. Talvez seja desnecessário pensar em quem está pagando essa conta.

Por fim, já é quase folclórico o expediente usado por prefeitos e vereadores em condições de mando: viajar e converter as diárias em uma complementação ou suplementação dos ganhos. Não tardará muito para a sociedade passar a cobrar o retorno ao município dessa conta. A transparência ainda pode operar maravilhas nesse país."

Agenor Gasparetto é sociólogo e professor da Uesc.
O artigo foi extraído do blog de Gasparetto

Pai Cidão na forca

Ex-todo poderoso, o vereador e secretário de governo, Alcides Kruschewsky, o Pai Cidão, está uma arara com o prefeito de Ilhéus, Newton Lima, pois soube apenas por terceiros que terá que vazar do cargo.

E o pior é que o ultimato foi dado por gente do PMN. Não é apenas a família Massarolo. Gilmar Sodré puxa o bloco dos que querem aplicar uma rasteira sem volta no secretário de governo.

Eleito pelo PMN, Pai Cidão fez vida na política... e mudou para o PPS. Depois, procurou guarida no partido do prefeito, o PSB.

O tombo veio agora.

Valter, o mineirinho...

A eleição da Uesc acontece amanhã. Três candidatos estão na disputa pela reitoria, marcada pelas graves acusações entre os grupos de Lourice Salume Lessa e o atual reitor, Joaquim Bastos.


Enquanto isso, o terceiro candidato, Valter Silva, vem colecionando apoios para a sua campanha.

Para isso, Valter tratou de mostrar as suas propostas de gestão para a comunidade acadêmica e a lideranças regionais, como os secretários estaduais Adeum Sauer (educação) e Geraldo Simões (agricultura).

Dizem que GS gostou tanto das propostas de Valter, que resolveu dar-lhe um abraço efusivo e desejar boa sorte na disputa (fotos acima).

Buemba!!!

Uma bomba vai estourar até amanhã.

E comprometerá, de vez, a campanha do reitorável Joaquim Bastos.

É nitroglicerina pura e revela os porões de acordos comerciais nada convencionais.

Aguardem, aguardem...

Santa competência, Adeum

Depois de perder a chancela da Ufba, o curso de mestrado em cultura e turismo da Uesc pode acabar. E prejudicar dezenas de mestrandos da instituição.

A informação é de dirigentes do próprio curso.

Enquanto isso, o secretário de educação, Adeum Sauer, aparece nos jornais propagadeando a "competência administrativa" da atual reitoria.

Os cursos de graduação tambem registram uma queda na procura por parte dos estudantes.

Estranho, muito estranho. Pior é essa sensação de que os concorrentes também muito pouco agregariam...

No prato, nada de feijão

Sabe aquela velha história do "feijão com arroz"?

Esqueça o feijão. Com a seca nas regiões baianas produtoras, o quilo do produto está sendo vendido nos supermercados por incríveis R$ 4,35, em média.

Não é nada, não é nada, o quilo do feijão está mais valorizado do que o nosso velho cacau.

"Os filósofos estão se revirando nos túmulos"

Caiu como uma bomba o discurso feito ontem, na Uesc, pelo professor Djalma Eutímio no curso de Direito.

Djalma questionou o slogan da candidata Lourice Salume ("Ética e Compromisso"). Segundo ele, ao atribuir a si mesma a marca da ética, a professora fez com que os filósofos se revirassem nos túmulos.

Membro do mesmo departamento ao qual pertence a candidata à reitora, o professor passou a descrever o currículo de Lourice, com jeito de quem apresentava uma folha corrida.

Entre outras ações deletérias, Djalma afirmou que Lourice utilizou seu poder como diretora do Departamento de Ciências Jurídicas para promover uma série de arbitrariedades. A contratação de uma empresa sem licitação para organizar um concurso público foi um dos desvios mencionados.

Segundo o professor, foi nesse mesmo concurso irregular que o filho de Lourice foi aprovado para o cargo de professor da disciplina Direito Internacional. À época, o jovem tinha acabado de concluir a graduação.

Demonstrando indignação e sem pedir segredo de suas afirmações, Djalma declarou que Lourice "acabou" com o curso de Direito da Uesc. "Hoje vivemos o absurdo de ter uma turma de direito agrário com três alunos da FTC e apenas um da Uesc", observou.

Também de acordo com Djalma Eutímio, há casos de professores que foram demitidos do departamento por perseguição. Outros continuariam sendo vítimas da atual vice-reitora e candidata ao título de Magnífica.

O professor salientou que seu pensamento era o mesmo de diversos membros do quadro docente da Uesc, embora nem todos se disponham a se manifestar com tamanha sinceridade. Acrescentou, porém, que os professores Carlos Valder e Geraldo Borges assinam embaixo das críticas a Lourice.

Djalma concluiu sua fala, declarando que a universidade precisa fazer uma opção segura. "Não podemos mudar como os ilheenses mudaram em 2004, elegendo Valderico Reis", comparou. O professor disse que não tem nada contra o candidato Valter Silva, mas deixou claro que o considera inexperiente para o cargo que postula.

E fez questão de frisar: "meu voto é de Joaquim".

Professor Davidson!

*O presidente da BahiaGás, Davidson Magalhães, explicando ao jornalista as dimensões da tubulação do Gasoduto do Nordeste (Gasene), que passará pelo sul da Bahia e terá Itabuna como uma de suas bases. E falando do orçamento fantástico da companhia: R$ 1 bilhão.

Assessor de Geraldo responde sobre pesquisa

Caros amigos:

Anexo ponderações que enviei ao jornalista Raul Monteiro, do blog POLÍTICA LIVRE, que publicou matéria sobre recente pesquisa realizada em Itabuna, acerca da sucessão municipal. Avaliem se as ponderações não cabem para publicação no seu blog, já que o PIMENTA NA MUQUECA também trouxe matéria semelhante, acerca dos mesmos pontos da mencionada pesquisa (clique aqui para ler a nota com os números da pesquisa).

Com admiração. Um abraço.

Caro Raul:

Você não me conhece pessoalmente, porque, com quantidade de leitores que têm seu blog e a coluna que você escreve na Tribuna da Bahia, seria impossível conhecer todos os seus leitores. Mas, como acompanho seu trabalho, digo que estou surpreso com a nota publicada em Política Livre sobre uma pesquisa feita em Itabuna.

Sei que você está fazendo o seu trabalho. Entretanto, como sei da qualidade da sua análise, sou obrigado a considerar, respeitosamente, o modo como você trata o assunto, respeitosamente, um tanto quanto direcionado.
Senão, vejamos.

1. Ao considerar um hipotético e mais que improvável confronto direto entre Capitão Fábio e Geraldo Simões o pesquisador comete um equívoco, considerando que Itabuna não tem eleição em dois turnos;

2. Geraldo Simões já foi candidato outras vezes, em um cenário em que Fernando Gomes era o adversário, tendo as eleições sido definidas por pequena margem de votos;

3. A partir daí, criou-se em Itabuna uma divisão política forte, que coloca Geraldo Simões de um lado e Fernando Gomes do outro, o que gera alta rejeição aos dois nomes, normalmente equivalente à oposição de um grupo ao outro;

4. Há, pelo menos, dez nomes colocados como candidatos. Destes, pelo menos quatro são ligados ao prefeito Fernando Gomes, além do mesmo e do próprio Capitão Fábio;

5. Assim, os números admitem uma leitura mais simples do que pretende a sua nota, pois ao propor a retirada de todos os candidatos para levar a um embate apenas entre os dois mencionados, o pesquisador impôs que, além dos eleitores do próprio Fábio, os eleitores dos candidatos do grupo de Fernando Gomes (historicamente opositor de Geraldo Simões) cravassem - para usar um verbo sugerido por você - a intenção de voto naquele que lhes parecia aliado comum, porquanto adversário de Geraldo.

6. Dir-se-ia que colocaram todos contra um. Exercício de pura imaginação. Ainda assim, com o tal empate técnico, considerando a margem de erro provável (que você não publica qual, valendo imaginar que seja em torno de 3 p.p. para mais ou para menos, o que eleva ou reduz os índices do Capitão Fábio para 46,6% e 40,6%, respectivamente, e os de Geraldo para 42,1% e 36,1%);

7. Ainda que nenhum desses aspectos fosse considerado, você pode analisar o seguinte: a) Geraldo tem significativa vantagem no cenário em que ele e o Capitão Fábio concorrem com outros nomes, fato que não mereceu registro da sua parte; b) a tal vantagem - que você chama de favoritismo - do Capitão Fábio contra Geraldo Simões é menor que a diferença entre os dois no cenário que vou chamar de eleição normal, a favor de Geraldo (30% a 21%);

8. Por fim, acostumado com a leitura de notas bem apuradas no seu blog e na Tribuna da Bahia, não compreendo a ausência de informações básicas (e obrigatórias pela legislação) na divulgação de pesquisas, margem de erro, por exemplo.

Esta minha manifestação não é uma solicitação de qualquer reparo. Nem tenho a pretensão de polemizar com você, que eu admiro. Apenas considero que a forma como essa pesquisa e os números foram tratados por você não foi, digamos, imparcial como você tem sido no geral.

Sucesso sempre!

Abraço,

Giorlando Lima

"Ah, Pezão roubou... Isso não existe, gente!"

A eleição do sindicato dos rodoviários de Itabuna está rendendo.

Hoje, o presidente "reeleito", Adeládio Pezão, deu entrevista ao radialista Orlando Cardoso e disse que a eleição foi "democrática e limpa".

Pezão, entretanto, não explicou o mistério da urna mágica em Valença, onde estariam registrados 48 votantes, mas apareceram 458 votos na hora da apuração - o que garantiu a "vitória".

Aos que afirmaram que vão recorrer contra o resultado, Pezão avisou: "é um erro eles recorrerem porque, aí, eu fico mais um ano no Sindicato..."

Sobre a versão que corre na rua de que o presidente "roubou a eleição", ele foi claro:

- Os perdedores estão dizendo "Ah, Pezão roubou. Isso não existe, gente".

Durma com um barulho desses...

26 novembro 2007

MEC assume Emarcs na BA

As quatro Escolas Médias de Agropecuária Regional da Ceplac (Emarcs) serão transformadas em Instituições Federais de Educação Tecnológica (IFET) do Ministério da Educação, que formam atualmente uma rede de 152 escolas no País.

O anúncio foi feito pelo diretor-geral da Ceplac, Gustavo Moura, e o secretário estadual de Educação, Adeum Sauer, na solenidade de formatura de 122 alunos da Emarc de Uruçuca.

Pelo projeto, com conclusão prevista para o primeiro semestre de 2008, as atuais escolas do Departamento de Educação da Ceplac em Teixeira de Freitas, Itapetinga e Valença integrarão o Sistema de Instituições Federais de Educação do Sul e Extremo-Sul baianos, com sede em Uruçuca.

Deverá haver concurso para a contratação de 30 professores no primeiro semestre. As escolas terão cursos de Agroecologia, Bioenergia, Matemática, Física, Química e Biologia, em nível de licenciatura e bacharelado.

Os atuais cursos técnicos em Agropecuária, Agrimensura, Tecnologia de Alimentos e Hotelaria e Turismo continuarão sendo ministrados em todas as unidades, mesmo após a criação do Sistema IFET. O investimento nas escolas no próximo ano será de R$ 6 milhões. (Com informações da Ascom/Ceplac)

Vereadores terão que devolver verba de gabinete

Dezenove vereadores e ex-vereadores de Ilhéus terão que devolver R$ 436.579,56 usados indevidamente a título de verba de gabinete em 2001 (abaixo a relação dos réus).

Em 2003, o Ministério Público Estadual e o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) sustentaram que a verba de gabinete era irregular. O MP entrou com uma ação civil pública de improbidade administrativa contra os edis.

Quando a justiça deu liminar proibindo a verba de gabinete, em 27 de janeiro de 2004, os vereadores recorreram da decisão em primeira instância. Eles entraram com um agravo no Tribunal de Justiça, mas o recurso não foi acolhido.

Dentre os réus estão o atual presidente da Câmara, Alisson Mendonça, além do 'homem do mensalinho', Zerinaldo Sena, Marcus Paiva e o ex-líder do governo de Valderico, Gilmar Sodré. E Zé Neguinho (Reinaldo Oliveira).

Nos próximos dias, o Ministério Público deverá intimar a prefeitura de Ilhéus (fazenda pública municipal) para que os vereadores e ex-vereadores façam o ressarcimento aos cofres públicos municipais.

A ação civil pública, de número 338546-8/2003, tramita na 2ª Vara Cível e da Fazenda Pública de Ilhéus. Para azar dos ex- e atuais vereadores, quem defende a ação contra a verba de gabinete é a promotora pública Karina Cherubini.

A relação dos devedores
Ana Margarida........................ R$ 2.239,65
Francisco Sampaio.................. R$ 21.929,77
Alisson Mendonça................... R$ 24.259,42
Antônio Oliveira...................... R$ 24.259,42
Carlos Alberto Oliveira .......... R$ 24.259,42
Edson da Silva Santos ............ R$ 24.259,42
Elicio Gomes de Sá Filho ....... R$ 24.259,42
Gilmar Sodré............................ R$ 24.259,42
Ivo Evangelista........................ R$ 24.259,42
Jailson Nascimento................. R$ 24.259,42
José Cruz dos Santos.............. R$ 24.259,42
José Fernandes....................... R$ 24.259,42
Marcus Paiva........................... R$ 24.259,42
Marlúcia Paixão....................... R$ 24.259,42
Raimundo Borges.................... R$ 24.259,42
Reinaldo Oliveira..................... R$ 24.259,42
Valdenick Dantas.................... R$ 24.259,42
Zerinaldo Sena......................... R$ 24.259,42
Amilton Alves.......................... R$ 24.259,42

Responsabilidade

Depois ainda dizem que o semanário A Região faz oposição irracional ao governo fernandista.

O Ministério da Saúde divulgou na sexta-feira que Itabuna apresentava índice de infestação predial do mosquito da dengue (IIP) de 16,8%, o que seria um desastre e o pior do país. Isso representaria a presenta de mosquito em 17 de cada grupo de 100 casas visitadas.

A reportagem do jornal entrou em contato com o ministério, checou a informação e, prontamente, os técnicos repararam o equívoco cometido pela assessoria de comunicação do MS.

Na verdade, o índice era de 3,7%, altíssimo para os padrões mundiais, mas nada que se compare aos 16,8%. Ou aos 17% registrados ano passado.

Esquemão

Até hoje muita gente não engoliu a história da venda da folha de pagamento da prefeitura de Itabuna para o Banco Real, por apenas R$ 4 milhões.

Se Itabuna perdeu nessa negociação, o mesmo não se pode falar do advogado-mor do alcaide.

O rábula de registro profissional lá do Espírito Santo vem fechando contratos polpudos com diversas prefeituras sul-baianas. E sempre representando o banco vencedor da pechincha itabunense.

Médico na jaula

Acossado pelas brigas familiares, o médico e ex-deputado federal Jorge Viana pode sofrer um duro golpe nos próximos dias.

O inqúerito da Polícia Federal, que apura diversas irregularidades no Hospital de Ilhéus, caminha a passos largos.

A polícia já confirmou que o hospital usava documentos de pessoas mortas para emitir autorizações de internamento hospitalar (AIHs) e fatura de consultas e exames fictícios contra o SUS.

A fraude contra o SUS desviou alguns milhares de reais dos cofres públicos. Investigações teriam apontado para o uso de equipamentos da Santa Casa de Misericórdia de Una, desviados de lá, diretamente para o hospital privado de Viana.

A chapa vai esquentar...

O partido que copiava

Missão do PAC do Cacau

Técnicos e pesquisadores do Ministério da Agricultura, Secretaria de Agricultura, Embrapa, Ceplac e Unicamp realizam a partir de amanhã (27), uma série de visitas a propriedades rurais do sul da Bahia.

A programação, definida em conjunto pelo MDA e Seagri, consiste em áreas que cultivam cacau com alta produtividade e resistentes a doenças e são desenvolvidos projetos de diversificação agropecuária e centros de pesquisa.

A equipe vai traçar um diagnóstico que fornecerá subsídios para a elaboração do Plano de Aceleração do Desenvolvimento do Agronegócio na Região Cacaueira, o PAC do Cacau.

O PAC do Cacau, que será lançado pelo presidente Lula e pelo governador Jaques Wagner, prevê investimentos de mais de R$ 2 bilhões, em oito anos.

O ca$calho será destinado à recuperação da lavoura cacaueira, equacionamento das dívidas dos produtores, incentivo à produção de dendê, pupunha, seringa, flores e frutas, agroindústria e obras de infra-estrutura. A visita se estende até a próxima sexta (30). Ascom/Seagri

Dividido

Antes da apuração dos votos, Adeládio Pezão dava como certa a sua recondução à presidência do sindicatos dos rodoviários de Itabuna.

E teve a ajuda do PT, que se dividiu em apoios a duas chapas adversárias do "Fidel dos rodoviários".

Junte-se a isso as artimanhas do Pel...ops, Pezão!

O mesmo veneno, mas com novo alvo

Quem agora sofre com as matérias atiladas do jornal A Tribuna, editado em Ilhéus, é o prefeito Newton Lima. A paz era frágil e acabou de vez quando o governo deu todo o espaço para o PSB de Pai Cidão, hoje com o reinado sob ameaça.

A intensidade das futuras pancadas será diretamente proporcional aos sinais políticos emanados do Palácio Paranaguá.

Enquete para prefeito de Itabuna

O leitor do Pimenta na Muqueca pode votar na enquete dos prefeituráveis de Itabuna em 2008.

Dos 10 nomes listados, a liderança temporária é do ex-prefeito Geraldo Simões, com 49% dos votos, seguido por Capitão Fábio (14%), Luís Sena (10%) e Capitão Azevedo (5%).

Para votar, basta acessar a enquete que está no canto superior, à direita da tela do seu PC.

BA entre os sete maiores PIBs do Brasil

Sete estados (SP, RJ, MG, RS, PR BA e SC)
representam mais de 75% do PIB do Brasil.


"
O crescimento da economia da Bahia, em 2005, esteve diretamente relacionado ao bom desempenho das atividades de Agricultura , silvicultura e exploração vegetal (15,9%) e da Indústria de transformação (4,8%).

O desempenho da Agricultura está atrelado à expansão da fronteira agrícola . Destacaram-se na comparação 2005/2004 as produções de algodão herbáceo (16,8%) resultado que a torna a segunda lavoura mais importante do estado em valor bruto de produção .

Os segmentos de celulose e produtos de papel e veículos automotores influenciaram positivamente a indústria de transformação em 2005, alcançando 21% e 31%, respectivamente.

No caso da indústria automotiva , a alta deveu-se à adoção do terceiro turno , ainda em fins de 2004, na montadora do estado e na atração de cinco sistemistas ao parque automotivo".

Urna mágica

O candidato Pé de Rato já comemorava a vitória nas eleições do Sindicato dos Rodoviários de Itabuna, quando "surgiu" uma urna, que ficou estrategicamente guardada até os quarenta e cinco minutos do segundo tempo.

A tal urna era da base de Valença e continha apenas dois votos para Pé de Rato e outros dois para um terceiro concorrente. O resto foi para o atual presidente Pezão, que matreiramente conquistou mais um mandato.

Na reta final

Pesquisas encomendadas por dois dos candidatos à reitoria da Uesc apontam um quadro embolado.

O reitor Joaquim Bastos teria apenas uma mínima diferença de três pontos entre os professores. Entre os alunos, a liderança é folgada para Valter Silva.

A incógnita se dá entre os funcionários, que, tradicionalmente, não revelam o voto.

Por isso, a disputa promete ser 'maluca' pelo voto do funcionários. E a quarta-feira está chegando...

Brincadeira

O jornalista Ricardo Ribeiro comunica ao blog que não é verdadeira a informação de que ele vai trabalhar na campanha eleitoral de José Adervan, pré-candidato a prefeito de Itabuna pelo PSDB. Ricardo afirma ter o "maior carinho e respeito" por Adervan, mas não cogita participar de seu staff político.

O desmentido se deve a uma nota publicada na coluna Malha Fina, do jornal A Região. Segundo o jornalista, tudo não passou de uma "brincadeira" de Marcel Leal, diretor do semanário.

"Aliás, eu também soube que Marcel fez as pazes com Fernando Gomes e tenta convencê-lo a disputar um quinto mandato à frente da prefeitura de Itabuna", diz Ricardo, naturalmente com a mesma dose de "verdade" contida na nota de A Região.

O pior de tudo não é isso. Como a nota diz que Adervan contrataria o jornalista "a peso de ouro", o dono do Jornal Agora acabou ganhando um apelido que pode atrair muitos eleitores adeptos do toma lá, dá cá.

Os maldosos já chamam o homem do botox de Rei Midas.

Feudo

Depois de oito anos à frente do sindicato dos rodoviários de Itabuna, o vereador Adeládo Pezão usou de suas artimanhas e conseguiu vencer mais uma eleição.

Tudo na base da 'agilidade' e ressurreição de mortos...

25 novembro 2007

Ácido: outra mulher atingida em Itabuna

Um homem identificado como Romboni está sendo acusado de atirar ácido na face da empregada doméstica Vanderluzia Pereira. O crime aconteceu em Itabuna, hoje.

A vítima está internada no hospital de Base. Existe o risco da empregada doméstica perder a visão.

É o segundo caso deste tipo que ocorre em Itabuna nos últimos meses. O outro foi fatal e envolveu a professora Sônia Almeida, atingida por um balde de ácido muriático misturado com solução de bateria.

O crime ocorreu no dia 2 de agosto. A vítima ficou internada por três meses no Hospital Geral do Estado (HGE), em Salvador, e faleceu no dia 15 deste mês.

Os acusados de jogar o ácido em Sônia estão presos, mas o acusado de ser o autor intelectual do crime, o corretor imobiliário e agiota Fernando Luna, está foragido.

Fonte Nova: tragédia se repete 36 anos depois


Era março de 1971, em plena ditadura, quando um refletor do estádio Octávio Mangabeira (Fonte Nova) estourou. Torcedores despencaram da arquibancada do anel superior. Três deles morreram, segundo divulgou, à época, o jornal Diário de Notícias.

Milhares de torcedores assistiam ao jogo entre Vitória e Grêmio (RS). Um deles era o presidente Médici. A história é revelada agora pela mídia.

Neste domingo, 36 anos depois, final de tarde e comemoração da maior torcida do nordeste, sete mortes foram registradas após uma das arquibancadas do estádio ceder (exatamente no anel superior).

Os torcedores do "Baêa" não puderam comemorar. Agora, choram. Assim como os baianos.

O preço vil da traição

“A fidelidade não tem preço.”

Esta afirmativa eu ouvi de Adervan, e nela acredito porque Adervan, ao longo da sua história política, deu provas disso. Vi Adervan manter vivo o nome de Ubaldo Dantas nas páginas do Jornal Agora, mesmo quando Ubaldo se mantinha afastado de Itabuna e dos seus “ex-amigos”.

E assisti a Adervan caminhar ao lado de Renato Costa, na última eleição municipal de Itabuna, mesmo quando os erros da campanha já demonstravam a inviabilidade do nome de Renato no pleito.

Vi também quando todos, inclusive velhos companheiros do PT que se beneficiaram diretamente do erro por ele cometido e que antes bebiam na fonte dos seus ensinamentos políticos, execrarem o nome do então deputado Josias Gomes (afirmando que não o defenderia porque seria um verdadeiro abraço de afogado) pelo seu envolvimento no caso do mensalão. Adervan, que até hoje é amigo de Josias, foi a única voz a defendê-lo.

Notícias que chegam da política ilheense dão conta de que o prefeito Newton Lima está disposto a entregar na bandeja a cabeça do seu secretário Alcides Kruschewsky, em troca do apoio do PMN na Câmara. O que vale dizer que, em troca dos quatro votos do PMN, do qual prefere ser refém, Newton rifa a cabeça do seu companheiro de primeira hora e expurga do poder o partido PSB.

O PSB, lembremos, o acolheu e deu postura política ao seu mandato, livrando-o da sanha de Alisson Mendonça. Se isso vier a se confirmar, prova que Newton aprendeu rápido as práticas nefastas da política. Ou então revelou, também muito rápido, seu verdadeiro caráter e confirmou as suas fraquezas.

Pelo que se pode ver, para alguns homens, notadamente políticos, a honra e os compromissos de fidelidade possuem preço, que não chega a ser tão alto assim, o que equivaleria dizer que vale algumas moedas de troca, desde que estas saciem a fome de poder momentâneo.

Para outros, no entanto, mesmo sendo políticos, o sentido de honra, amizade e fidelidade assume um papel importante de vida, para qual não existe preço que justifique o ato vil da traição.

Zelão, em nome da honra que ainda resta.

O fim do impresso

"Economia digital
As vésperas da inauguração da TV digital, o Ministério das Comunicações cortou a maior parte das assinaturas de jornal e trocou-as pelo acesso ao conteúdo na internet. De R$ 100 mil por mês, o gasto caiu para R$ 8 mil."

Brasil Confidencial, Istoé.

Tragédia na Fonte Nova, em Salvador

Torcedores comemoravam classificação do
Bahia à segunda divisão do Brasileiro-2008


Oito torcedores morreram após a queda de parte da arquibancada do anel superior do estádio Otávio Mangabeira (Fonte Nova), em Salvador. O desabamento ocorreu a uma altura equivalente a de um prédio de cinco andares.

Seis das vítimas, três homens e três mulheres, morreram na hora. Outras quatro pessoas se envolveram no acidente. Elas foram levadas ao Hospital Geral do Estado, onde duas morreram. As demais permanecem internadas.

Segundo torcedores presentes ao estádio, o problema teria sido motivado pela superlotação. O estádio tinha mais de 60 mil pessoas e uma multidão invadiu o equipamento esportivo, após o empate em 0x0 entre Bahia e Vila Nova-GO.

Os torcedores que invadiram o estádio estavam na porta da Fonte Nova. Do lado de fora, trios elétricos esperavam para fazer a festa da classificação do tricolor baiano. Os trios foram dispensados.

Mengo vence e se garante na Libertadores

Os vascaínos podem ter a chance de gozar os torcedores do Flamengo.

O time rubro-negro venceu o Atlético Paranaense e se classificou para a Libertadores-08. E pode ser o vice-campeão do Brasileiro-08, caso ganhe a próxima partida e o Santos tropece.

Clique aqui para assistir aos gols do Fla em cima do Atlético.

Valter lidera disputa pela reitoria

Desde a quinta-feira, 22, este blog pergunta aos seus leitores quem eles escolheriam o novo reitor da Uesc. A disputa se dá entre Valter Silva, Joaquim Bastos e Lourice Salume Lessa.

Por enquanto, Valter lidera com 48,33%, seguido do atual reitor Joaquim Bastos (33,89%). Lourice, que ameaçava juntar-se a Valter ao final da semana que passou, tem 17,78% dos votos.

Se você ainda não votou na enquete, clique (aqui) e escolha o seu candidato.

Fernando Gomes tinha razão

O prefeito Fernando Gomes ocupou uma 'cadeia' de emissoras de rádio para falar sobre o concurso público municipal 'fajuto', na semana passada.

No decorrer do pronunciamento, afirmou que escolheu uma fundação mineira para realizar o concurso porque se fosse a Facsul ou FTC poderia ter trambicagem no resultado final - ou, nas palavras dele, "mutreita".

A Facsul e a FTC preferiram se calar diante de tamanha acusação contra a idoneidade das duas instituições de ensino. Cadê Marcelo Valente? Cadê Renato Cabral?

Diz o ditado que quem cala consente. E este blog acaba por acreditar, devido ao silêncio das instituições, que Fernando tinha razão.

GS na arbitragem

O secretário de agricultura, Geraldo Simões, logo, logo será chamado a arbitrar uma guerra travada no seu ninho. As professoras Miralva Moitinho e Anorina Smith Lima abriram nova guerra fratricida que ameaça corrosão no casco do navio Geraldo 2008.

Anorina e o seu pequeno grupo aliaram-se a Fernando Gomes para detonar a quase cinqüentenária Associação dos Professores de Itabuna (API), que, teoricamente, funciona sob o controle de Miralva, hoje na Direc 7. Anorina, para isso, criou o Simpi, o sindicato dos professores municipais.

Gente do grupo de Miralva, maior que o de Anorina, aponta que a ex-tucana aliou-se ao secretário de relações do Ministério do Trabalho e Emprego, Luiz Antônio de Medeiros, este petebista como Anorina, para reconhecer o incipiente Simpi. E fuzilar a API.

A briga promete. Ameaça inclusive rompimentos entre Geraldo e Anorina e o esposo Moacir Smith Lima, presidente do PTB em Itabuna. E Geraldo precisa dos trabalhistas para o seu projeto de retorno ao Centro Administrativo Firmino Alves, em 2008.

Não se sabe até onde vai essa briga.

Até tu, Adeum?

O secretário estadual de Educação, Adeum Sauer, confessou a uma platéia formada por educadores, alunos, pais de alunos e representantes da sociedade civil que até ele acreditava no mito da "eficiência administrativa", propagandeada pela mídia carlista.

E, pior, só descobriu que tudo era de mentirinha quando assumiu a pasta da educação e viu o "pepino" grosso e a ser descascado. A declaração ocorreu no fechamento da conferência regional de educação básica, realizada em Itabuna, entre sexta e ontem.

O secretário ainda anunciou que, para corrigir distorções, dirigentes escolares vão receber um aumento de 50% nas gratificações, a partir deste mês. "Vamos fazer um esforço muito grande para mudar a educação", disse.

A viagem de Joaquim e Malu

A pedidos, aí está a foto colorida da viagem do reitor da Uesc, Joaquim Bastos, e a esposa ao velho continente, lá no Arco do Triunfo, na belíssima Paris, tudo bancado pelos cofres públicos, segundo o Portal da Transparência do Governo do Estado e levantamento do jornal A Região.

Ao leitor que pediu, este é o link para acessar a nota de A Região (clique aqui). A foto foi extraída de lá!
Sobre o assunto, confira a nota "Uesc bancou lua de mel do reitor Joaquim Bastos".

Vai estudar, FHC!!!

"A frase do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que escorregou no português formal ao criticar indiretamente o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi considerada "politicamente incorreta" pela professora de português Thaís Nicoleti. No 3º Congresso do PSDB, anteontem em Brasília, o ex-presidente disse que quer "brasileiros melhor educados, e não brasileiros liderados por gente que despreza a educação, a começar pela própria".

Pela norma culta, o correto seria "mais bem educados". "Rigorosamente, deve-se usar "mais bem" antes de particípio. Porém, essa construção ["melhor educado'] é considerada aceitável, ela está no limite entre a norma padrão e o desvio dela", afirma Nicoleti.

Para a professora, o mais grave, no entanto, é o significado da frase do ex-presidente. "Todos sabem falar a sua própria língua. Não se pode usar a fragilidade da educação formal de uma pessoa para atacá-la. Como professora de português, nunca desmereço o discurso de alguém por sua forma de falar. Isso é politicamente incorreto ou no mínimo mesquinho."

Nicoleti diz que, como a língua é dinâmica, o que foi considerado errado no passado pode ser aceito no presente. "Quem sabe, no futuro, as pessoas deixem de usar o "s" [para designação do plural]. Possivelmente, quando Fernando Henrique freqüentou a escola ele aprendeu que o correto era apenas "mais bem" educado."

Por trás da discussão, a professora aponta haver certa condescendência com erros gramaticais de classes sociais mais altas. "Há registros típicos de classe mais baixa, como a falta de concordância nominal ou verbal. Nas classes mais altas, também há, como a colocação pronominal ou o uso de "melhor" no lugar de "mais bem". Essas, no entanto, são consideradas mais palatáveis." (Folha de São Paulo)

"Policojornalismo"

Nos 85 anos do rádio, cresce na Bahia o políticojornalismo, mistura de jornalismo com política. Mistura 'azeda', diga-se de passagem.

Detentores de mandato eletivo ou aspirantes, ocupam espaço nas emissoras de rádio para firmar o nome e tentar conquistar novos eleitores.

O fenômeno cresceu de forma vertiginosa em Salvador, onde candidatos a prefeito, ex-governador e deputados ocupam espaço com programas que, invariavelmente, falam sobre política.

Alô, polícia!!!


Principal acusado do homicídio contra a professora Sônia Almeida, o foragido Fernando Luna passeia alegremente pelas ruas de Canavieiras.

Enquanto isso, a polícia não sabe o paradeiro do homem, não consegue prendê-lo.

E a população assiste a mais um grande show da polícia baiana.

800 vagas tempórárias no Natal

O comércio itabunense deve abrir entre 700 e 800 vagas temporárias neste natal. Os números são das entidades lojistas e foram divulgados em matéria deste final de semana no jornal A Região, que traz a expectativa do comércio (o melhor natal dos últimos anos) e entrevista com quem já foi temporário e, após o término do contrato, ficou no emprego.

Improbidade na gestão da Uesc

Souza Santos

Pela moralidade, por instituições públicas voltadas para o social, pelo respeito à sociedade, precisamos de autoridades e gestores públicos dedicados, imbuídos de seus deveres e da importância de suas ações. A atual gestão da UESC que iniciou em 2004 e agora pleiteia permanência, não está merecendo ficar, por diversos motivos.

E digo a razão. Primeiro, devemos considerar uma gestão atuante aquela que busca intensamente os objetivos institucionais, e aí, leia-se institucional para um órgão público um conjunto de ações que primam pelo interesse da maioria, da comunidade, interesse regional ou de sua área de circunscrição.

Segundo, devemos considerar uma gestão atuante aquela empreendedora, com projetos institucionais, inovadores, buscando o desenvolvimento, pujante e animadora, viva, que busque a toda ação, a todo gasto, os interesses coletivos e os tais propósitos institucionais.

Terceiro, consideramos uma gestão atuante aquela que mede seus esforços, buscando aprimorá-los, sempre maximizando suas receitas e minimizando seus custos. Pergunte quanto custa um detento no sistema prisional – tudo mundo sabe.

Pergunte quanto custa um aluno da UESC, quanto custa uma sala de aula de graduação ou pós-graduação – ninguém sabe. Não que isso deva ser mensurado só economicamente, mas para conhecer o investimento e qual será o resultado social e o benefício em prol do desenvolvimento humano.

Tudo bem, coisa de economista, mas no mundo das organizações é assim que funciona.
Nada disso acontece com a atual gestão da UESC, as ações meramente são mantidas, e mal mantidas, e a sociedade precisa saber disso, a comunidade acadêmica precisa conhecer isso antes de votar no pleito de 28 próximo.

Despesas, compras e projetos de edificações sem licitação, sem empenho, favorecendo grupos individuais, direcionadas. Exemplos reais: Portaria nº 1118/05, de novembro/05 - sindicância sobre irregularidade em licitação, 809/06, de junho/06, 808/06, de maio/06, 154 e 238/06, de fevereiro/2007 – abertura de processos administrativos, 1070/2007, de setembro/07, 1071/2007, de setembro/2007 (aplicação de mera advertência aos coordenadores da prefeitura e setor administrativo).

Todas portarias publicadas no Diário Oficial e no site da UESC. As medidas foram tomadas, mas a aplicação de punição não foi como recomenda a lei, houve favorecimento, alguém ganhou alguma coisa e foi ilícito.

Desleixo com o patrimônio público, os imóveis estão em situação deploráveis. É só ver o antigo prédio do ICB - em Ilhéus, pintado pela metade, pintura feita pela Caixa Econômica na parte que lhe cabe. Será que falta verba para pintar o resto do prédio. Vejam o imóvel do Banco da Vitória, matagal e só matagal, ruínas e desinteresse. A fazenda Almada, em Uruçuca, mato, ruínas, ações de vândalos e invasões.

No Campus, na entrada da guarita, instalaram duas cancelas elétrica – cor vermelha, há dois anos, nunca foram usadas. É só passar e ver. Há uma lancha com motor na garagem oficial com quatro anos de comprada, valor aproximado 50.000,00, e nunca saiu do campus, nunca viu a água.

Motoristas com mais de 70 anos de idade dirigindo veículos oficiais, contra a legislação e contra a vida humana.

As verbas externas para pesquisas científicas vêm agora direito para a conta do professor e este gasta conforme seu projeto pessoal, antes vinham para a UESC e o recursos e os resultados acadêmicos eram creditados em prol da instituição. É uma perda incalculável.

O curso de mestrado em turismo acabou em 2006, por falta de produção científica.

Cursos de especializações foram diminuídos, áreas como direito, letras, comunicação, educação, filosofia, informática, engenharia, ciências naturais e da saúde, não são contempladas com pós-graduação.


Nas ações de extensão esqueceram o Salobrinho e a periferia de Itabuna e Ilhéus. Estão contemplando somente aos grandes projetos do Governo Estadual.

Falta de água, problemas com manutenção interna, faltas de tomadas, fiação aparente, problemas com pintura externa. Vejam a pintura da Biblioteca/Auditório.

Poderíamos ficar aqui enumerando ações que refletem má-administração, mas é necessário tempo e espaço...

Ora!!! Será que vale a pena reconduzir uma gestão assim? Vamos pensar direito!!!


A disputa pela reitoria

Rodrigo Cardoso

Apesar da diversidade de candidaturas, as eleições que definirão quem será o professor que irá, durante os próximos 4 anos, administrar e representar a UESC, está pobre de alternativas. De um lado o prof. Valter Silva que, no debate entre os candidatos, demonstrou uma falta total de conhecimento sobre a universidade e o seu papel, expondo-se ao ridículo com suas "propostas".

Não consigo imaginar qual a vantagem para a universidade de colocar em um mesmo edíficio pesquisas de áreas do conhecimento com características totalmente diferentes. Não imagino como a via de mão-dupla com a sociedade, característica fundamental da Extensão, seria tão bem acomodada em um suntuoso prédio no campus, sem contar as características diferenciadas que assumem os projetos em áreas diversas. A aquisição e manutenção de uma "cafua" para os pesquisadores em Salvador só precisou ser complementada com a confecção de vários pires padronizados com o emblema da UESC.

Diante do manifesto despreparo do mesmo para assumir um cargo de tamanha importância, só posso imaginar que esteja simplesmente tentando divulgar sua campanha de vereador. Se for isso, são as regras da democracia. Se não, me parece uma total falta de compromisso e demonstração de irresponsabilidade com essa instituição que tanto contribui e tem muito mais para contribuir com o povo da nossa região.

De outro lado a professora Lourice, com alguma experiência administrativa, mas de resultados duvidosos. Suas quase duas décadas à frente do curso de Direito, com ela no comando ou algum de seus aliados, deixaram uma marca de nepotismo, autoritarismo e decadência da excelência acadêmica decorrente dos fatores anteriores. O elitismo da candidata, demonstrado pelo desconhecimento da temática da Assistência Estudantil, totalmente ignorada em seu programa, parecia ser contraditada pelo fato da proposta de Reserva de Vagas para estudantes de escola pública ter sido aprovada durante a gestão Joaquim, da qual ela era vice, com ela na presidência do CONSEPE.

No entanto, como o presidente do conselho não vota, perdeu-se a oportunidade de saber se ela realmente apoiava o projeto ou se está entre os que tentam preservar a "lourice" da universidade. A única alternativa digna de avaliação sobre as condições de ser o Reitor da UESC nessas eleições, na minha humilde opinião, é o prof. Joaquim. Não só pelo crescimento da UESC nas mais variadas áreas nos último quatro anos, mas, principalmente pelos avanços democráticos conquistados no período.

Paridade nas eleições, Reserva de Vagas com Cotas Étnicas, diálogo com os movimentos sociais e entidades representativas da comunidade acadêmica, e demonstração de capacidade administrativa, me surpreenderam positivamente. Apóio o professor Joaquim com orgulho.

24 novembro 2007

A Testemunha

Karol Vital

Era o final de uma tarde de domingo quando o tédio superou a preguiça e impulsionou o meu corpo a dar uma volta pela Avenida Soares Lopes. Ao dizer que pensei em “dar uma volta” percebe-se que meus recursos financeiros no momento não estavam lá muito abundantes. Mas os ossos já doíam de tanto ficar no sofá. Estava quente, o céu e o mar limpinhos. Tinha que aproveitar os últimos raios daquele solzão bonito.

Acompanhada do meu marido, saímos sem rumo certo. Sentir a brisa nos nossos rostos, ver a criançada brincando de bicicleta, as senhoras metidas a “cocotinhas” caminhando com suas roupas de ginástica, os casais de namorados tomando sorvete... Este foi o momento em que a contemplação do cotidiano caiu por terra, dando lugar para a gula.

Estava quente, passei o dia inteiro enfurnada em casa, um sorvete não nos faria mais pobres. Sim, mas cadê o dinheiro? Lá fomos nós para calçadão, rumo ao Banco do Brasil para sacar a fortuna de dez reais. Com eu disse, a grana estava curta, não podíamos esbanjar. Seria só uma bolinha para saciar a vontade e adoçar o dia.

Saímos da agência meio apreensivos. As ruas estavam vazias, só ouvíamos os nossos passos e respiração. Cada metro que avançávamos era uma fuga daquele deserto ameaçador, povoado de trombadinhas ocultos. Quando passamos em frente à Associação Comercial de Ilhéus, vimos diversas VHS espalhadas pelo chão. “Arte de algum vândalo” – pensamos.

A rua estava caracterizada como uma perfeita cena de crime. Algumas VHS tinham as fitas magnéticas puxadas, outras estavam totalmente desmontadas, escangalhadas. Mas uma me chamou atenção, pois estava bem no meio da rua. Fiquei curiosa para ver o título do filme e, que ironia: A Testemunha.

Aquela VHS trazia em seu conteúdo um filme de 1982, que tratava de um assassinato testemunhado por uma jovem e seu filho, que passavam a ser protegidos por um investigador. Já a fita testemunhou um crime contra o patrimônio público, a cultura e a história. Ela não tinha quem a protegesse, havia sido jogada à sorte por causa do DVD. Virou lenda e lixo.

Fiquei pensando naquela testemunha ali no meio do asfalto. Que final triste teve a pobre VHS. Ela tinha a mesma idade que eu e estava sendo rotulada como velha! Um dia era disputada nas prateleiras da locadora e, no outro, estava estendida no chão, decrépita. A tecnologia foi mais impiedosa que o tempo. E a ignorância em descartá-la daquela forma, maior ainda.

A fita estava sendo a testemunha de como nossa sociedade vira as costas para aquilo que um dia teve valor. E não podemos achar que é diferente com os seres humanos. Como dizia a minha avó: “Quem foi é a mesma coisa de nunca ter sido”.

Karol Vital é comunicóloga

Candidato inova pra correr dos 'pedintes'

Liderança comunitária do Santo Antônio, o radialista João Ailton Bicudo arranjou uma forma 'inovadora' para fugir dos eleitores pedintes.

Ele afirma que desistiu da candidatura a vereador. "Vendi minha vaga", brinca.

Dizem que o homem é mais mão-fechada do que o secretário Geraldo Simões e o prefeito de Itajuípe, Marcos Dantas, juntos.

Bicudo, pra não correr perigo, ainda leva um monte de escorpião no bolso.

Uesc bancou "lua de mel" do reitor Joaquim Bastos

O reitor da Uesc, Joaquim Bastos, administra a instituição como uma "caixa-preta".

Para azar dele, o Portal da Transparência do governo do estado registrou todos os gastos com diárias.

Segundo levantamento feito pelo jornal A Região no Portal, Joaquim gastou R$ 152.340,00 em diárias apenas neste ano.

O reitor da Uesc viajou muito mais do que o governador Jaques Wagner, segundo o Portal da Transparência.

As diárias foram 'generosas', como em suas andanças pela China (diária de R$ 8.135) e Chile (R$ 4.049).

Lua de mel

O jornal sustenta, ainda, que o reitor teve uma de suas viagens a Paris paga pela Uesc. Até aí, tudo bem, mas o magnífico reitor estava acompanhado da esposa, Malu (foto). E fechou uma dulcíssima lua de mel, com direito a foto e tudo.

A diária para esta viagem foi de R$ 3.987,00. Ou seja: mais de dez salários mínimos por dia gastos pelo reitor. E pagos por você.

Mais detalhes, na edição impressa do A Região, nas bancas.

Jabes diz que apóia, mas nem tanto

O ex-prefeito de Ilhéus e secretário-geral do PP, Jabes Ribeiro, nega que irá assumir cargo no primeiro escalão do governo Wagner.

A possibilidade foi aventada por gente do próprio grupo jabista, acreditando que a nomeação faria parte do acordo pelo qual o PP passa oficialmente a apoiar o "galego".

Em entrevista ao Resenha da Cidade, Jabes confirmou o apoio, mas assegura que não vai para o secretariado.

E mais: é pré-candidato a prefeito de Ilhéus.

De volta ao meio-dia

A TV Cabrália vai mudar novamente o horário do programa Alerta Total, que está sendo transmitido das 18h às 19h15min desde o início das operações da Record News.

A partir desta segunda-feira, a exibição ocorrerá a partir do meio-dia e, segundo consta, o freio de arrumação tem a ver com um ligeiro declive na curva da audiência.

"Acho difícil apoiar Capitão Fábio"

O ex-prefeito Geraldo Simões disse achar difícil não entrar na disputa pela prefeitura de Itabuna e abrir mão em favor do deputado estadual Capitão Fábio.

- Acho muito difícil apoiar.

Geraldo ainda falou da fragilidade política do atual prefeito.

- O prefeito acreditava muita na força do PFL, que não governa mais a Bahia. Eu já governei duas vezes sem o governo (estadual).

Ex-prefeito critica falta de projetos

O ex-prefeito Geraldo Simões passa boa parte da entrevista no programa de Roberto de Souza cutucando a atual gestão.

Para ele, a falta de projetos do governo de Fernando Gomes está prejudicando Itabuna.

Segundo Geraldo, os governos federal e estadual têm dinheiro para a cidade, mas o prefeito não apresenta projetos para captar esses recursos.

"Não vou mais responder a fuxico"

Geraldo Simões evitou responde a acusações desferidas pelo ex-petista José Carlos Veridiano. Ao ser confrontado com declarações do ex-presidente do PT local, no programa Resenha da Cidade, Geraldo fuzilou:

- Quando vier ao seu programa, não venho mais para responder a fuxico e dor-de-cotovelo. Quero discutir planos. Não tenho tempo para isso (fuxicos).

Antes, Roberto havia colocado no ar trecho de uma entrevista feita pelo programa Resenha da Cidade com o ex-petista José Carlos Veridiano.

E Veridiano colocou o dedo na ferida, ao responder sobre afirmação de Geraldo de que ele teria mudado para pior ao se filiar ao PMDB:


- Eu quero dizer pra ele que eu não mudei para pior. Em todo partido tem gente que não presta. Tem pessoas boas ou ruins. O PMDB é o principal aliado de Wagner, principal aliado de Lula. Será que Lula e Wagner mudaram para pior? O espírito de Hugo Chávez baixou nele. Todo mundo que discorda politicamente dele, ele acha que é traidor.

Veridiano ainda afirmou que Geraldo teria a segunda maior rejeição entre prefeituráveis de Itabuna.

- Na Ceplac, 90% dos funcionários não querem nem saber dele. Mudei de partido, não mudei de caráter, de patrimônio, sou simples funcionário da Ceplac. Não mudei de amizade. Cada dia minha amizade aumenta mais.

A resposta de Geraldo, frisemos, calou todo o estúdio...

Entre a cruz e a espada

Simpático à candidatura de Valter Silva para reitor da Uesc, o secretário de agricultura, Geraldo Simões, se reuniu com Joaquim Bastos e declarou voto no atual reitor da universidade.

A eleição está marcada para a próxima quarta-feira, 28. E Joaquim quer ser reconduzido ao cargo.

PCdoB conversa com Fábio

Tradicional aliado do PT e de Geraldo Simões, o PCdoB está buscando trilhar novos vôos.

Dirigentes do partido iniciaram negociações com o neopeemedebista Capitão Fábio.

Geraldo no Resenha

O ex-prefeito e secretário de agricultura, Geraldo Simões, concede entrevista ao Resenha da Cidade, neste momento.

E adota uma estratégia interessante ao buscar debater sobre a cidade e deixar o assunto eleição municipal para depois. "Está longe, vamos pensar Itabuna", diz ele.

Assim, ele foge de um assunto espinhoso neste momento, as pesquisas eleitorais, que em diversos cenários lhe dão margem confortável.

Porém, num deles o capitão Fábio, o popular Fubá, o supera em intenções de voto, segundo a Sócio-Estatística. Fabio teria 43,6% contra 39,1% de Geraldo, num confronto direto.

O programa Resenha da Cidade, aliás, está festivo hoje. Completa 10 anos no ar. E o apresentador Roberto de Souza não está prosa!

Governo de todos

Marco Wense

Como não bastasse o Conselho Político, o governador Jaques Wagner toma outra iniciativa que demonstra o seu jeito de governar, sem perseguição e desprovido de qualquer sentimento de vingança.

Cada deputado estadual, independente de filiação partidária, se é da oposição ou do governo, se é do DEM ou do PT, vai receber, via emendas individuais, R$ 400 mil para serem aplicados no município indicado pelo parlamentar, principalmente nos setores de educação e saúde.

Antes, antigamente, nos tempos dos dinossauros, as torneirinhas dos cofres públicos só eram abertas para os corregilionários e os apadrinhados do governador. Os parlamentares da oposição comiam o pão que o diabo amassou.

Esse é o governo Jaques Wagner. Um governo para todos, respeitando todos.

Medicina da Uesc perde 'poder de atração'

O Curso de Medicina da Universidade Estadual de Santa Cruz terá o menor número de concorrentes desde que foi implantado, em 2001. No vestibular de 2008 o curso terá 39,33 candidatos para cada uma das 40 vagas. No primeiro ano, a concorrência era de 100 vestibulando por vaga.

Leia mais em A Região

Arrumando a casa

• BAHIA
Paz no clã

Guilherme Laager, ex-presidente da Varig e ex-diretor da Vale e da AmBev, foi escolhido pelos herdeiros de ACM para ser o superintendente dos negócios do clã – que incluem um jornal, rádios e a TV Bahia, retransmissora da Globo. Desde a morte de ACM, havia uma guerra surda na família pela hegemonia na administração das empresas. Agora, decidiu-se profissionalizar e tirar a família das empresas.

Radar, Veja

23 novembro 2007

Gasparetto comenta eleição na Uesc

Eleição para reitor da Uesc

Hoje, último dia de campanha (dia 23). No começo da manhã, apenas a chapa Joaquim e Adélia panfletavam, distribuíam o jornal APOIOS EM FATOS E FOTOS.

Sobre os apoios, quatro páginas, com depoimentos e fotos. Nem todos os apoiadores votam, figurando entre esses ex-professores, reitores ou ex de outras universidades, políticos, como Geraldo Simões, Davidson Magalhães, professor da Uesc licenciado, e deputada Alice Portugal.

Esse recurso, apoios, revela a um só tempo força e fraqueza. Força, porque nomes com expressão influem e induzem votos (Em alguns casos, porém, também tiram). Fraqueza, porque por mais depoimentos e fotos caibam em quatro páginas de jornal, a grande maioria fica de fora. É um pouco, fazendo uma analogia com a política que se faz na rua, com a estratégia de colar cartazes de uma candidatura a prefeito. Por mais casas com cartazes um candidato consegue, alguém sempre vai dizer: há mais casas sem cartazes! E quando, por intimidação, um prefeito consegue colar cartazes na maioria das casas, não é incomum acontecer que o que está no lado de fora não coincidir com o que vai pelo lado de dentro. São as sutilezas da política.

Hoje, a ausência das outras chapas panfletando, quebrando a monotonia das camisas, aumenta o sentimento de que esta eleição é atípica, além de estranhamente apática, como se estivesse escondendo alguma surpresa, ou seria apenas diferenças de estratégias. A propósito, o voto do funcionário, mais de três vezes mais valioso do que o do professor, será buscado obstinadamente pelas três candidaturas. Serão, por razões de diplomacia e mecanismo de preservação, ditos mais “sim” do votos nas urnas. Portanto, entre amanhã, sábado, e o dia da eleição, a campanha continuará por outros meios. Muita conversa ainda vai rolar antes do voto ser confirmado na urna.

Confira mais no blog de Agenor Gasparetto.

Bond, James Bond

.
Quem seria o prefeiturável 007, citado por Eduardo Anunciação?

Se tiver um palpite, é só comentar aqui no blog.
.

A nossa polícia

"Em Itabuna só tem policial desonesto", declaração do advogado Hamilton Gomes ao jornal Diário do Sul. O advogado foi preso em flagrante, acusado de furtar duas caixas de maçã de um feirante, no centro comercial.

.

Pesquisa: Fábio bate Geraldo

"Uma pesquisa encomendada pelo PMDB de Itabuna entre os últimos dias 14 e 17 sobre a sucessão local faz o deleite do partido no município, que a divulga sem limites.

Em dois cenários pesquisados, o deputado Capitão Fábio, ungido candidato peemedebista no município, seria a promessa de vitória na cidade.

O virtual candidato do PT, Geraldo Simões, desponta, entretanto, quando confrontado com o atual prefeito, Fernando Gomes (DEM).

Na disputa com Geraldo, Fábio cravaria 43,6% contra 39,1% do petista. Já contra Fernando Gomes, o peemedebista chega a 65,8% contra 12,3% do atual prefeito.

Geraldo não faz feio quando enfrenta Fernando Gomes: bate de 51,8% contra 17,3% do democrata. No quesito rejeição, Capitão Fábio também empolga os peemedebistas.
Registra o menor índice, de 6,2%, contra 29,8%, de Geraldo, e o campeão Fernando Gomes, com 56,5%.

A pesquisa tem origem na localidade: é da empresa Sócio-Estatísticas, de Itabuna, pertencente ao sociólogo Agenor Gaspareto.

Revela fonte do PMDB local que o partido vai se reunir para pressionar o diretório estadual a apelar ao PT para que apóie a candidatura de Capitão Fábio.

“Com estes números, está claro que só com ele podemos tomar a Prefeitura de volta”, diz o peemedebista. Foram ouvidas 1.503 pessoas na consulta." http://www.politicalivre.com.br/

Do Pimenta: Nós já havíamos falado da pesquisa. Ela não é deleite apenas para os peemedebistas. Josias Gomes, ex-deputado federal petista, tratou de enviar cópias da pesquisa para a governadoria.

O cenário é de confronto direto, estando na disputa apenas Capitão Fábio e Geraldo. Quando aparecem os demais candidatos, Geraldo fica à frente por 11 pontos. A campanha vai ferver, irmãos.

TEM JEITO?

Os ladrões que assaltavam os cofres da saúde, agora descobertos na Operação Jaleco Branco, detonaram mais de R$ 630 milhões nos últimos dez anos.

Quantas escolas esse dinheiro poderia reformar? Quantas casas populares poderia construir? Quantas estradas recuperar?

Sem falar nos hospitais públicos sucateados, muito por conta da falta dos recursos que descem pelo ralo da corrupção.

O PT e o Conselho Político

Marco Wense

Falem o que quiser do governador Jaques Wagner, mas não diga que o chefe do Executivo estadual é autoritário, centralizador e mandão, um inimigo da democracia e do diálogo.

Como ministro das Relações Institucionais do governo Lula, Wagner demonstrou toda sua capacidade de lidar com o contraditório. É bom lembrar que o governador passou incólume pelo escândalo do mensalão.

A formação do Conselho Político, com a participação de 15 agremiações partidárias – PT, PMDB, PC do B, PTB, PP, PR, PPS, PSDB, PSB, PDT, PV, PSC, PRTB, PMN e PSC – é a prova inconteste da boa vontade e do respeito do governador pelos partidos políticos.

Antes, era o chicote e a subserviência. Hoje, a civilidade e o entendimento. O medo das lapadas não existe mais. O manda quem pode, obedece quem tem juízo, é coisa do passado.

Os democratas (DEM), ex-pefelistas, não são tratados como leprosos e ferrenhos inimigos. São adversários políticos que têm todo o direito de fazer oposição e desfrutar do Estado democrático de direito.

A precípua finalidade do Conselho é evitar que as divergências entre os partidos aliados, principalmente entre o PT e o PMDB, possam criar seqüelas incuráveis em decorrência do processo sucessório municipal.

Não vai ser fácil. O governador sabe que a missão é difícil, especificamente quando dois ou mais pré-candidatos (da mesma base de apoio ao governo) pretendem disputar o comando do Centro Administrativo das prefeituras.

O Conselho vai atuar no sentido de apaziguar os interesses, as conveniências políticas e, até mesmo, as vaidades – muitas vezes doentia – de algumas lideranças políticas que se acham intocáveis.

Ainda bem que temos um governador que entende que esse é o melhor caminho. Aliás, infinitamente melhor do que as chicotadas, a humilhação, o puxão de orelha e o murro na mesa.

Cabe ao PT, partido de Jaques Wagner, a compreensão de que a vitória do petista, logo no primeiro turno, defenestrando 16 anos de carlismo, é fruto de uma junção de forças políticas. Não é uma exclusividade do petismo.

Portanto, o Partido dos Trabalhadores vai ter que ceder alguns espaços onde pré-candidatos da base aliada estão em posição mais confortável no sentido de derrotar os adversários comuns: os prefeituráveis do DEM.

Uma outra imprescindível contribuição do PT, como se fosse um dever de casa, é evitar, na medida do possível, esse confronto PT versus PT, principalmente quando a lógica aponta que um determinado pré-candidato é a melhor opção do partido.

Até as freiras do Convento das Carmelitas sabem, por exemplo, que o médico Ruy Carvalho é o melhor nome do PT de Ilhéus para a sucessão de Newton Lima. Além de ser o preferido do governador Jaques Wagner, é o que cria menos atrito com outros partidos da base, como o PC do B e o PMDB.

Na edição do Diário do Sul do mês de julho do corrente ano, mas precisamente dia 9, fiz o seguinte comentário: “O vereador Alisson Mendonça, presidente do Legislativo da vizinha e irmã cidade de Ilhéus, se esforça para ser o candidato do PT na sucessão do prefeito Valderico Reis. Mas não adianta. É perda de tempo. A cara do PT é Ruy Carvalho. E o PT sabe disso”.

O PT é peça indispensável no democrático Conselho Político. Sua atuação é importante para a manutenção da governabilidade do governo Jaques Wagner. O PT radical, intransigente, que só quer o venha nós, que não cumpre os acordos, é “persona non grata”.

Marco Wense é articulista político