30 março 2008

"Ladrão, ladrão"...

Na manhã da sexta-feira passada, um grupo de 200 estudantes fez o que quase todo itabunense tem vontade. Na porta do centro administrativo Firmino Alves, os meninos chamaram o nosso querido prefeito de... de... de... "ladrão".

Era uma manifestação contra a tarifa de transporte coletivo em Itabuna, hoje em R$ 1,80 e mais cara do que o 'bonde' para a Uesc - R$ 1,60. Fernando passou pela turba juvenil e ainda fez um leve aceno para a galera, quando recebeu a resposta carinhosa, acompanhada de sonora vaia.

12 comentários:

Anônimo disse...

Sem contar, acdredito que os meios de comunicação não sabem, sobre o convência feito entre a prefeitura e a FACSUL para que os professores que ainda não têm graduação pudessem cursá-la.
O tal convêncio desonta no salário dos professores e não é repassado à faculdade...ou seja, é roubado do salário do professor....como também, o FGTS descontado há mais de 2 anos e este não é repassado à Caixa Econônima...portanto não existem outras palavras, a não ser: LADRÃO, ASSALTANTE, DESONESTO E TANTAS OUTRAS!!!

Anônimo disse...

No dia do protesto dos estudantes, eu estava no Banco do Brasil, porém, o que na verdade estes "estudantes" queriam era PASSE LIVRE e, não como está informado este blog, que seria pelo preço da passagem. vale o registro.

Toscko disse...

Ledo engano, "anônimo".

Os estudantes pediam também o passe-livre, mas queixavam-se da tarifa alta e da baixa carga de créditos disponibilizada - apenas 60 por mês. Isso dá só para assistir às aulas do mês, faltando as atividades de educação física, deslocamento para atividades extra-classe...

Abraços,

Victor Marcel disse...

1. Já era tempo de alguém acordar pra vida e começar a incomodar o prefeito pelas coisas que ele fez, ou melhor, deixou de fazer.
2. O preço do ônibus em Itabuna não parece ser tão compatível com o perfil sócio-econômico da população. Em Feira de Santana, muito maior do que Itabuna, o coletivo custa 1,40 real.
3. Se os estudantes estavam de fato protestando contra a alta do ônibus ou somente queria o passe-livre (que, por sinal, encarece o valor final do preço do coletivo para quem NÃO é policial fardado, juiz, agente de trânsito, etc.), fica difícil acredita na versão de quem não apresenta provas, ainda mais em se tratando fr um anônimo.

Contra o Aumento da Passagem disse...

JÁ BASTA!

Uma Nota de Repúdio ao Aumento da Passagem

Mais uma vez, no apagar das luzes, em meio à festas de fim de ano, a Prefeitura de Itabuna decreta o aumento da tarifa de ônibus. A passagem, que já se encontrava num patamar quase que insustentável de R$1,60, subiu para R$1,80, um aumento de 12,5%, bem acima da inflação, que registra pouco mais de 4%, um aumento desnecessário de uma tarifa já abusiva.

Assim, a tarifa itabunense de transporte torna-se a mais cara passagem do interior da Bahia, perdendo apenas para a de Salvador, de R$2,00. Aqui cabem três críticas básicas.

Primeiro: O próprio aumento. Pelo menos pela terceira vez seguida, a atual administração concede um aumento de vinte centavos, fazendo com que a passagem subisse meteoricamente. Culpam as gratuidades, e jogam na cara dos estudantes que com o seu “desconto” de 50%, a famosa meia-passagem, não deveriam reclamar. “Esquecem-se” que isso é menos do que a obrigação das empresas de transporte público.

Segundo: O momento do aumento. Pelo menos pela terceira vez seguida, o aumento se dá nas férias, melhor, no segundo dia do ano, quando as atenções estão dispersas, quando os estudantes e trabalhadores estão de férias, enfim, quando um amplo debate não pode ser feito. Por que? Simplesmente para evitar a mobilização popular contra o ato. Para que se passe despercebido e, quando algo for feito, a passagem já ter se consolidado.

Terceiro: O formato do aumento. Pelo menos pela terceira vez seguida, sem debate nenhum, sem audiência pública, sem explanação de motivos para a sociedade. O Conselho de Trânsito possui pouco poder de intervenção da sociedade civil, e o pouco que possui é ignorado. Onde está representada a classe estudantil, por exemplo, uma das maiores usuárias do serviço?

Não se deve aceitar, nem abaixar a cabeça para esse tipo de abuso. Não se pode ficar em silêncio, não se deve deixar isso passar. Um estudante, que pega ônibus para ir e vir diariamente ao colégio tem de gastar mais de R$45, e isso com meia-passagem. Trabalhadores e trabalhadoras que não a possuem pagam mais de R$90 reais! E isso só para ir e voltar ao seu emprego ou colégio!

Por isso, o Grêmio Estudantil Paulo Freire, em consonância com o pensamento dos estudantes, repudia o aumento da passagem como ato desnecessário e explorador de grupos interessados em lucro, em detrimento da liberdade, garantida na Constituição Brasileira, do direito de ir e vir.


JÁ BASTA!

Em defesa dos estudantes,

SOMOS CONTRA O AUMENTO DA TARIFA DE ÔNIBUS!

Yuri Santos de Brito

Presidente do Grêmio Estudantil Paulo Freire

Bárbara Guimarães Vitorino

Diretora de Comunicação e Imprensa do Grêmio Estudantil Paulo Freire

Luan Augusto Valete

Secretário-Geral do Grêmio Estudantil Paulo Freire

Contra o Aumento da Passagem disse...

JÁ BASTA!

Um repúdio ao aumento da passagem de ônibus.

Novamente, de uma forma opressiva e abusiva, as empresas de ônibus e a prefeitura de Itabuna aumentam a passagem de ônibus para R$1,80, um aumento de 20 centavos ou 12,5%. O aumento, feito no apagar das luzes do ano de 2007, começou a valer no dia 2 de janeiro e foi feito assim para não ser questionado. Porém, não permitiremos que ele passe assim.

AUMENTO NÃO!

O GRÊMIO ESTUDANTIL PAULO FREIRE se posiciona contra o aumento abusivo, que prejudica principalmente os estudantes, e se põe à favor do passe-livre estudantil.

Fique de Olho:

20 de Março é o Dia Nacional de Luta pelo Passe Livre Estudantil.

Contra o Aumento da Passagem disse...

DEZ PERGUNTAS PARA A PREFEITURA, A SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO, O SEU CONSELHO E A EMPRESA DE TRANSPORTE PÚBLICO, SÃO MIGUEL:

Senhor Prefeito Fernando Gomes, Senhor Secretário de Transporte e Trânsito Capitão José Nilton de Azevedo e Senhor João Duarte, Diretor do Grupo Duarte Holding, que controla a São Miguel:

O Grêmio Estudantil Paulo Freire, enquanto entidade da sociedade civil organizada, pede explicação nos seguintes pontos:

1-O aumento da passagem de ônibus, configurado em 12,5%, se deu acima da inflação, de 4,5%. O preço dos combustíveis, dos salários dos seus funcionários e dos ônibus avariados aumentaram nessa mesma proporção?

2-O aumento da passagem se deu nas férias, logo após o ano-novo. Como, aliás, foi feito das outras vezes que a passagem aumentou em 20 centavos. Houve algum tipo de audiência pública ou qualquer outra convocação da sociedade civil para devidos esclarecimentos sobre o aumento?

3-Há algum temor em debater pública e claramente o assunto com a sociedade?

4-Os senhores sabiam que essa é a passagem mais cara do interior da Bahia, mesmo Itabuna não sendo a maior cidade do interior baiano?

5-O serviço é, em algum momento, subsidiado pelo município, ou outra unidade do Estado? Se sim, qual a taxa de subsídio?

6-Qual as justificativas concretas para o aumento?

7-Como funcionam as atuais gratuidades? Quem fiscaliza e quem emite? Como podemos saber que todas as gratuidades são válidas e regulares? Existe algum estudo para estender as gratuidades para os estudantes, como foi feito no Rio de Janeiro e em Cuiabá?

8-Qual a margem de lucro das empresas? E o seu valor total líquido?

9-Os senhores admitiriam um estudo para a conclusão de um preço justo e economicamente viável, e a implementação deste? Se sim, a Prefeitura poderia iniciar esse estudo, cumprindo a sua função de representar os interesses populares?

10-Por fim, levando em conta que um trabalhador que ganha salário mínimo paga cerca de 20% de seu salário (cerca de noventa reais) para deslocar-se para o trabalho:

Os senhores acham o aumento justo?

Anônimo disse...

ô mentira da porra. 200 estudante s é muito exagero, eu tava lá e vi. E acho que passe livre... francamente né blog!?

Curioso disse...

Minha curiosidade é por que esse grupinho (tinha no máximo 20, entre estudantes e curiosos aderentes) levou TRES MESES para reclamar das passagens de onibus.
Por que não protestou em janeiro?

Yuri Brito disse...

Sr. Curioso

O "grupinho" protestou no dia 28 de março em honra ao estudante Edson Luís, assassinado pela Ditadura Militar, o que ocasionou a Marcha dos Cem Mil, evento histórico para o movimento estudantil e para o Brasil. É o Dia Nacional de Lutas Estudantis, onde ocorrem manifestações por todo o País.

Não o fizemos em janeiro pois temos senso tático, e seria muito mais efetivo uma manifestação grande num momento propício do que uma manifestação minúscula num momento inapropriado - como, inclusive, um pessoal fez.

E não foram "No máximo 20". Estamos correndo atrás das fotos que os jornais tiraram, e lá você pode ver que, como o pimenta muito bem disse, deram 200 pessoas no ápice da manifestação.

Não se procupe em dizer quantos de nós tinhamos lá.

Afinal, nós estávamos vendo. E somos estudantes, sabemos contar.

Espero ter satisfeito sua "curiosidade".

Anônimo disse...

Pimenta, a galera também gritou "Pede pra Sair, Pede pra Sair..."

Além do clássico "Boi, Boi, Boi, Boi da cara preta, ou abaixa a passagem ou a gente pula a roleta..."

Anônimo disse...

Quanta maldade! Que gente perversa!
Como é que acusam um homem probo, ético,pai de familia exemplar,religioso,caridoso,não responde a nenhum processo por nada. Mãos limpas! gente!!!, cuidado com o pecado da injúria,difamação. Olha o costigo dos céus, viu. Deus tá olhando a maldade de vocês com um homem tão puro quanto Fernando Gomes. Descanse em paz filho.Como é que tá suas noites de sono heim Fernando, dormindo como um anjinho? Que beleza! eu quero é mais.....